Crônica de um amor platônico qualquer.

13:55


[...] ela andava como quem nunca quisera nada demais na vida, os sapatos meio dourados e sujos cintilavam o sol aos meus olhos, e foi ali que pude ter o prazer de notá-la melhor. Já a havia visto outras vezes nas reuniões da Comissão Municipal de Reparos Públicos, ou então, em célebres jantares que tenhamos compartilhado com os chefes da cidade, todavia, nunca tivera o prazer de poder admirá-la minuciosamente. Estava sentado ao banco da Praça dos Corrimões, bem no centro de São Paulo, o barulho se fazia infernal, crianças corriam por entre as árvores, carros, motocicletas e alguns bondes acreditavam serem os donos da cidade, outrossim, ela passava, radiante, esbanjando-me beleza e mistério, e nos poucos segundos que meus olhos, agraciados foram em poder notá-la, dei-me a pensar sobre o quão ainda queria saber mais sobre aquela mulher. Quantas histórias fascinantes poderia retirar de teus lábios em um singelo jantar, com ótimos talheres à mesa, ademais não, talvez ela fosse mais simples e gostasse mesmo era de comer, numa esquina qualquer, um fast-food... como poderia saber? Eu não a conhecia. Por derradeiro, nos últimos segundos de sua passagem, indaguei-me sobre sua profissão. Escrever é fascinante! É permitir que outrem adentre teus pensamentos e lhe conheça, ora melhor do que ti mesmo. É ainda deixar seus pensamentos seguirem um fluxo leve e verdadeiro. Escritora, como tal, o fazia muito bem. Talvez devesse, por fim, mandar-lhe uma carta! Usando-me da paixão que possuía pela leitura e pelas letras, conseguisse, por sorte, conhecê-la melhor! Estava, então, decidido. Iria escrever uma carta! Quanta audácia, Joaquim! Como irás começar? "Olá, querida Estela...", ou então, "Não me atrevo a dizer muito, apenas que lhe amo."? [...] 

Elcimar Reis 

Você também pode gostar:

Comentários
3 Comentários

3 mil comentários

  1. Awn meu deus, qui amor.
    Muito lindo. Você escreve muito bem. *---*

    ResponderExcluir
  2. elcimar, que saudade de vir aqui e ler teus textos sempre tão lindos ♥ me prendi ao texto e lembrei de alguns amores platônicos que tive pela vida. esse sentimento é por vezes tão empolgante que as vezes esquecemos que na realidade não conhecemos mesmo a pessoa...
    Beijão,
    Blog Ó, tô em dúvida...

    ResponderExcluir
  3. Uau!!!!!! Linda cronicas urbana. Entre frios edifícios, concreto e aço, o amor aflora. Muito bom, Elcimar. Parabéns!

    ResponderExcluir

+ Lidas