Girlboss - Crítica.

16:57

Imagem de britt robertson

Olá queridos leitores! ♥ "Girlboss" é a mais recente comédia da Netflix. A trama narra a estória de Sophia Marlowe, uma garota completamente diferente, ousada, complicada, egoísta e que se sentia mal em todos os empregos em que estava. De certa maneira, Sophia não gostava de ter chefes. Certo dia, descobre uma paixão: vender roupas vintage na plataforma virtal "eBay". E é neste exato ponto que a trama se desenrola. Mas advirto-lhes em algo, no início haverá um estranhamento; mas no final, você será capaz até de se imaginar no lugar de Sophia.

Girlboss – 1ª Temporada (EUA, 2017)
Criação:
 Kay Cannon
Direção: Christian Ditter, Steven Tsuchida, John Riggi, Amanda Brotchie, Jamie Babbit
Roteiro: Kay Cannon, Caroline Williams, Sonny Lee, Eben Russell, Jake Fogelnest, Joanna Calo, Jen Braeden
Elenco: Britt Robertson, Ellie Reed, Johnny Simmons,  Alphonso McAuley,  RuPaul, Dean Norris, Jim Rash, Amanda Rea, Rebecca Krasny, Melanie Lynskey 

"Girlboss", como disse, gera de início um estranhamento. Não é uma das séries que se tem muita vontade de continuar assistindo. Uma das minhas críticas favoritas, Carol Moreira, em um vídeo dedicado à série, disse que a personagem principal de qualquer série ou filme deve sempre gerar em quem assistir a identificação, ou então, a projeção. E concordei com ela quando disse que em "Girlboss" não conseguimos fazer isso muito bem. E realmente não conseguimos. Sophia é diferente, egoísta, chata, estranha demais, estridente, e inconsequente. Como se identificar com alguém assim? Ou se projetar? Creio que somente tendo as mesmas características. Carol Moreira, em seu vídeo, ainda disse que este é um ponto, que até então, parece negativo. Mas que não é. Concordo, pois, no início se tem, de fato, um estranhamento. Mas depois a trama vai se desenrolando e vamos conhecendo melhor as personagens e todo o conjunto da estória. ♥ 

"Gilboss" é baseado na história real de Sophia Amoruso, criadora de uma das grifes mais famosas dos Estados Unidos, chamada "Nasty Gal". Contudo, pelo o que parece, a criadora e roteirista da série, Kay Cannon, teve permissão para adaptar a estória, para dar o tom de comédia de que precisava. E em todos os episódios, no início, lemos a seguinte frase: "a seguir, uma releitura livre de eventos verdadeiros. Muito livre". Ou seja, embora seja baseada em fatos reais, é uma adaptação um pouco diferente. 

Confira o trailer abaixo:


A atriz Britt Robertson é responsável pela personagem "Sophia", a principal da série. Sua atuação está espetacular. Ela está bem confiante no papel, e isto é perceptível. Sophia possui diversas cenas completamente distintas entre si. Cenas de comédia, e cenas pesadas. E fique atento, pois elas surgem quase que do nada. Britt construiu uma personagem bem estruturada e que cumpre a finalidade. No início, como disse, não gostamos dela, mas logo depois passamos a entender, e perceber o porquê de suas atitudes, do egoísmo e de sua perspicácia. 

Um ponto positivo que eu encontrei na série é a fotografia. As cenas foram muito bem elaboradas, e a produção ficou de parabéns! De iluminação solar à iluminações vermelhas e azuis, a série ganha um aspecto muito gostoso de assistir.

Quase no final da temporada, há uma cena em que existe uma espécie de discussão num fórum da internet. E a forma como isso nos foi apresentada foi sensacional. Funcionou muito bem. Os atores ficavam dispostas numa mesa redonda bem futurística, expondo seus comentários (que eram os comentários escritos no suposto fórum). Ficou bem futurístico, e achei até engraçado.

Imagem de netflix, girlboss, and britt robertson

A atuação dos demais atores também é um dos pontos nobres da trama. De início, eu não havia gostado nenhum pouco da atuação de Ellie Reed, que faz a Annie, melhor amiga de Sophia. Até então, estava achando suas expressões caricatas demais. O que não se encaixava, de maneira alguma, com a proposta da série. Contudo, na metade da temporada em diante, comecei a analisá-la sobre uma outra perspectiva e percebi que a inocência da personagem era o motivo de tais expressões. E comecei a gostar disto.

O ator responsável pelo personagem de Shane, par romântico de Sophia, também é um dos meus preferidos. Johnny Simmons consegue, sem exageros, retratar o motivo pelo qual Sophia (e qualquer outra pessoa) conseguiria se apaixonar por ele. ♥. Um coração quebrado em cada cena.

A série, basicamente, conta a história de como uma garota consegue começar do nada um negócio próprio, desenvolvê-lo e torná-lo algo de sucesso. É bem inspirador. Principalmente para pessoas ativas e sonhadoras como eu. Contudo, mesmo tendo isso como base fundamental, a série mostra muito mais do que isso. Do relacionamento de Sophia com Annie, o surgimento de sua amizade, conflitos familiares, etc. É uma prato cheio de surpresas boas.

Rafael Gonzaga, do site Omelete, ressalta em sua crítica, que a série consegue ainda ter um outro ponto positivo, o de criar bordões e detalhes que moldam a personalidade da trama, e farão, sem dúvidas, ser lembradas por quem assiste. O bordão "eu amo você, se eu morrer" é um deles. Ou então, a jaquete que ensejou o início de Nasty Gal. Detalhes que ficarão na memória, sem dúvidas.

Os episódios são curtos, cerca de apenas 30 minutos cada. Mas não vejo necessidade de terem sido maiores. Acho que pelo tempo, a estória ficou sem muita enrolação e gostei disso. Na curta temporada, são tantas informações e tantas cenas importantes e icônicas que o coração chega a parar. ♥ "Girlboss" é uma ótima trama. Não é a minha série favorita, mas indico bastante! Sobreviva aos primeiros episódios de estranhamento e irá se apaixonar, lhe prometo!

Já conhece "Girlboss"? O que achou da crítica e da série em si? Deixe nos comentários. 
Elcimar Reis. 

Você também pode gostar:

Comentários
7 Comentários

7 mil comentários

  1. Eu sou a única pessoa da terra que ainda não assistiu essa série. Eu só faço ler postagens a respeito dela mais ainda não fui assistir para tirar minhas próprias conclusões - Como pode? kkkkk - obrigado pela recomendação!

    Do mês que vem não passa haha.

    Beijos!
    www.memorizeis.tk

    ResponderExcluir
  2. Fiquei medrosa e curiosa com essa série, muitas pessoas odiaram ela, mas amo a Britt e tô louquinhas pra ver ela atuando <3

    Born in 1996

    ResponderExcluir
  3. Eu estava bem ansiosa para assistir e gostei da série, ainda mais com os episódios curtos, adoro a Sophia, a Annie e o Shane, mas fiquei bem triste com o rumo do relacionamento deles.
    madrugadaestrelada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Ouvi falar tanto no facebook que estou louca de vontade de assistir. Vou procurar, amei sua crítica. Saudades daqui <3

    melninas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Gostei da sua resenha, principalmente o fato de ter apontado vários aspectos. A maioria das resenhas só levam em consideração a história e o personagem principal, mas você também avaliou as atuações e a fotografia (que ficou sensacional)

    ResponderExcluir
  6. Oi! tudo bem? Ainda não tinha ouvido falar dessa série.mas achei ela bem interessante.Gosto quando o ator ou atriz principal,tem esse estilo de anti-herói,sem ser assim perfeitinho.Sem falar que a sua resenha ficou ótima,deu mais vontade de assistir.

    Abraços

    antesda-chuva.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi!

    Então... eu vi todo mundo se matando para ler o livro e ver a série, mas posso confessar que não senti vontade?! Pois é. Não deu!

    Gostei das fotos que você colocou aqui. Acho que há a possibilidade de eu dar uma chance, por causa do que vc disse da fotografia. Vamos ver...

    Beijos,

    Algumas Observações

    ResponderExcluir

Já curtiu?

+ Lidas