A morte toma café.

18:24

Imagem de coffee, brown, and theme

A fachada do Café & Tea nunca me pareceu tão bela. Os arranjos de flores, dispostos na parede do lado de fora, um em cada lado da porta principal, estavam renovados com diferentes colorações de orquídeas e algumas rosas brancas. De certo modo, elas subiam a parede cobrindo todo o conjunto estrutural da porta, como que me convidando com um sorriso largo no rosto à adentrar a loja. Entrei. As mesas em tom claro, cada uma de uma cor, se contrapunham aos quadros encantadores pregados na parede. As imagens eram de pinturas de artistas locais ou de mensagens da internet, não sei ao certo. Comecei a fitar cada canto do ambiente em busca dele. Havíamos escolhido com muita cautela aquele lugar. E após conversar horas, por mensagens, sobre todas as possibilidades que a cidade nos dava, optamos pelo Café & Tea porque ambos gostamos de cappuccino sabor chocolate. E eu o havia dito que o deles era o melhor da região. Minha busca deu-se por completa quando fui surpreendida por uma mão no ombro: 

- Oi, pensei que tivesse entrado no lugar errado! - disse, jogando-me um sorriso arrebatador. 
- Não, jamais! É aqui mesmo! - respondi, após um ou outro segundo dados em prol da recuperação pós-sorriso. 

Sentamos em uma mesa rosa, de tons claros. O cardápio fora entregue logo em seguida pela garçonete, e logo já pedimos dois cappuccinos sabor chocolate. Sobre a mesa havia guardanapos, juntamente com diferentes molhos para os eventuais lanches, além de um rosa branca, que se encontrava dentro de uma garrafa de cerveja vazia e transparente. Era, de fato, o lugar perfeito. 

- Lilian, preciso lhe confessar algo. - ele havia dito, gelando-me até as entranhas. 
- Di, di-ga. - respondi, quase gaguejando. 
- Eu tenho uma namorada! - Súbito. Sem desvios. Sem mais conversas. Acredito que minha pupila tenha quase voado córnea afora, de tão dilatada. Surgiu, lodo após, o sentimento de querer sumir daquele lugar; que apenas ia aumentando, na mesma intensidade em que minhas bochechas iam se corando. 
- Como assim? - revidei! - Você havia me dito que era solteiro. Como teve coragem de me fazer vir aqui? 
- Eu não tive a intenção de te machucar. Acontece que eu gostei de conversar com você por todo esse tempo, e gostaria de te conhecer. Mesmo sabendo que não iriamos ter nada. - disse tentando se explicar. 
- Se queria me conhecer, porque disse isso tão rapidamente assim? - quase gritei. - Achou mesmo que eu fosse continuar aqui depois disso?

Meu corpo estava fazendo jus a teoria da conversão. O intenso e súbito ódio por aquele homem já estavam se materializando em pernas tremendo, mãos contando dedos na mesa ou passando-se pelos cabelos. Como ele havia tido a coragem de conversar comigo por tanto tempo... e namorando!? 

- Não conseguiria mentir pra você. Principalmente depois de ter visto teus olhos pessoalmente! - disse, olhando-os fixamente. 
- Que nojo! - gritei, sem nem me preocupar com quem tivera escutado ou não. 

Precisava sair dali. Me levantei, peguei minhas coisas que estavam sob a cadeira ao lado. Meus ouvidos já não conseguiam entender o que ele estava dizendo. Mal queria olhá-lo. Me virei para ir em direção à porta. Quando de repente... um escuro. Após o retorno da minha visão, fitei Eduardo no chão, assustado, me encarando, e eu... segurava uma arma! Todos, levantados e preocupados, me olhavam. Seus olhos estavam exteriorizando medo à minha frente. O ódio subia pelo meu corpo, minhas pernas tremiam, e eu não entendia de onde havia surgido aquela arma. Ele implorava por perdão. E eu não o escutava. Apenas me lembrava de todas as inúmeras vezes em que havia me deixado levar por alguém e sofrido depois. 

- Lilian, me desculpe! Me desculpe! Você não precisa fazer isso. Eu desapareço da sua vida! - implorava às alturas. 

O ambiente parecia estar se escurecendo. As mesas de tons claros, agora faziam-se quase pretas. Todos me fitavam, assustados. Mas, de certo modo, pareciam me entender. Pareciam concordar. Eu o olhei fixamente. O representante do meu sofrimento. O fitei mais de perto, e BAM! Puxei o gatilho. Seu corpo caiu ao chão quase que em câmera lenta. A vida deixara seus olhos. Havia acertado seu peito, fazendo com que jorrasse sangue por todos os lados. Senti, logo em seguida, um peso em minhas costas, e meu corpo caindo em direção ao chão também. Um homem havia se jogado em cima de mim, tentando me imobilizar. Comecei a me debater fortemente, na esperança de me livrar das garras do homem, quando... 

Acordei. Era um sonho? O barulho do despertador se fazia insuportável. Sim, era um sonho. Desliguei o despertador, me levantei, arrumei uma ou outra coisa no quarto, e desci as escadas visando a cozinha. Tomei um belo café da manhã, e decidi olhar minha agenda daquele dia. Afinal, tudo estava um pouco confuso. Confusão pós pesadelo, creio eu. Tinha apenas um compromisso depois do trabalho: encontro no Café & Tea com o Eduardo às 20:00 hrs. Dei de bruços, coloquei minha arma na bolsa e sai pro trabalho. Ansiosa em conhecer o homem da minha vida!

Elcimar Reis. 

Você também pode gostar:

Comentários
13 Comentários

13 mil comentários

  1. Respostas
    1. Owwnt, muito obrigado pelo carinho Sté! Pretendo escrever mais contos sim! ♥ É uma arte que estou com a intenção de dominar.

      Excluir
  2. Olá! Já disse que admiro as coisas as quais escreve né??
    Passando sempre pra ler as novidades e, parabéns. Me faz sentir cada palavra escrita. Adorei
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiie Millene! Muito obrigado por essas palavras! uahsuhaus. ♥. Muito bom ler isso. Volte sempre mesmo! Sempre terá coisas mais para se ler!

      Excluir
  3. Tu és fantástico! Mais uma vez quero dizer: apaixonada pelos seus contos :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oooie Mai. uahsuhaus. Fantástico é este carinho! Muito obrigadooo! ♥

      Excluir
  4. Fiquei com um sorriso no rosto após terminar de ler! Que proeza! Quase não sorrio por causa de textos. Infelizmente sou um pouco soturna, mas este é tem uma reviravolta interessante.
    Deixou a pergunta, será se eu colocaria a arma na bolsa?
    Abraços
    https://notas-poeticas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado por este comentário! 💘😍💥🌹💘😍💥💘! Fico muito feliz que consegui lhe arrancar um sorriso! 💘

      Excluir
  5. Eitaaa! Adorei o conto! Ou seja, o sonho iria virar realidade né? Hahaha! Poste mais contos, porque eu adorei!
    Beijos!

    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Heeey Thamiiii! Que bom que tenha gostado! Ssssim, estou mesmo com a intenção de escrever mais contos! Obrigado pelo carinho! 💥😍🌹💘

      Excluir
  6. Olá,

    Adorei o conto, espero ver mais por aqui desses ♥
    Bjs e um bom fim de semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
  7. aaaaaaaa gritei, menino, que história envolvente! Sua escrita tem ficado cada vez melhooor!
    E amei a sua foto na minibio do blog!

    Com amor,
    Bruna Morgan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAAAAAAAA BRUNAAAA. MUITO OBRIGADOOOOO! 🔥💘💥😍

      Excluir

Já curtiu?

+ Lidas